Afinal, o que é um empreendedor?

Acredita-se hoje que o empreendedor seja o “motor da economia”, um agente de mudanças. Muito se tem escrito a respeito, e os autores oferecem variadas definições para o termo. O economista austríaco Schumpeter (1934) associa o empreendedor ao desenvolvimento econômico, à inovação e ao aproveitamento de oportunidades em negócios. Neste artigo iremos trabalhar com a definição de Filion (1991), por ser simples e abrangente: “Um empreendedor é uma pessoa que imagina, desenvolve e realiza visões”.

Mas o que se sobe hoje, através das pesquisas em todo o mundo, sobre o perfil do empreendedor?

O empreendedor é um ser social, produto do meio em que vive (época e lugar). Se uma pes soa vive em um ambiente em que ser empreen dedor é visto como algo positivo, então terá motivação para criar o seu próprio negócio.

É um fenômeno regional, ou seja, existem cida des, regiões, países – mais ou menos- empreendedores do que outros. O perfil do empreendedor (fatores do comportamento e atitudes que contribuem para o sucesso) pode variar de um lugar para outro.

Como os conhecimentos obtidos através das pesquisas podem ajudar a quem quer abrir uma empresa?

Presume-se que, se uma pessoa tem caracterís ticas e aptidões mais comumente encontradas em empreendedores de sucesso, terá melhores condições para empreender. Como se sabe,é pelas características comportamentais básicas
que o can didato a empreendedor deve se pautar. Por outro lado, sem tais características, a pessoa terá dificuldades em obter sucesso.

No estágio atual de conhecimento sobre Empreendedorismo, sabe-se como ajudar os empreendedores em potencial e os empreendedores de fato a identificar as características que devem ser aperfeiçoadas para obterem sucesso.

A tese de que o empreendedor é fruto de herança genética não encontra mais seguidores nos meios científicos. Assim, é possível que as pessoas aprendam a ser empreendedoras, mas dentro de um sistema de aprendizagem espe cial, bastante diferente do ensino tradicional.

 O que ainda não se pode fazer no estágio atual dej conhecimento na área de Empreendedorismo

  • determinar com certeza se uma pessoa vai ou não ser bem-sucedida como empreendedora;
  • garantir que as pessoas dotadas das características essenciais ao empreendedor terão sucesso.

O que significa o termo “empreendedorismo”?

É uma livre tradução que se faz da palavra entre-preneurship. Designa uma área de grande abrangência e trata de outros temas, além da criação de empresas:

  •  geração do auto-emprego (trabalhador autônomo);
  • empreendedorismo comunitário (como as comunidades empreendem);
  • intra-empreendedorismo (o empregado empreendedor);
  • políticas públicas (políticas governamentais para o setor).

 Exemplos do que seja um empreendedor:

  • indivíduo que cria uma empresa, qualquer que seja ela;
  • pessoa que compra uma empresa e introduz inovações, assumindo riscos, seja na forma de administrar, vender, fabricar, distribuir, seja na forma de fazer propaganda dos seus produtos e/ou serviços, agregando novos valores;
  • empregado que introduz inovações em uma organização, provocando o surgimento de valores adicionais.

Contudo, não se considera empreendedor uma pessoa que, por exemplo, adquira uma empresa e não introduza nehuma inovação (quer na forma de vender, de produzir, quer na maneira de tratar os clientes), mas somente gerencie o negócio. 

E para que servem tais conceitos, definições?

São eles o ponto de partida dos pesquisadores para o estudo das condições que levam o empreendedor ao sucesso. É através desse entendimento que é possível ensinar alguém a ser empreendedor. Por isso, o estudo do perfil de empreendedores é o tema central das pesquisas e tem sido de grande valia para a educação na área.

Os empreendedores podem ser voluntários (que têm motivação para empreender) ou involuntários (que são forçados a empreender por motivos alheios à sua vontade: desempregados, imigrantes, etc.) SegundoTimmons (l994),”o Empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20″.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: