JPG pode estar com dias contados, é o que o Google com o formato WebP

Há um bom tempo o formato JPEG se estabeleceu como tipo de imagem mais aceito por vários softwares e sites, como serviços de compartilhamento online de imagens, browsers, editores de fotografias, vídeo e até por dispositivos físicos como câmeras digitais. Ele tem larga compatibilidade e aceitação.

O Google estima que 65% da internet é formado por imagens.

Assim, se criado um novo formato de imagem, com tamanho menor a Internet poderia ficar até 25% mais rápida. E foi isso que o Google fez.

O Google criou um novo formato de imagem, capaz de gerar arquivos até 40% menores que os populares JPEG, o WebP (pronuncia-se Uépi).

Todo o código fonte do WebP é livre, e não há dúvidas de que a empresa pretende fazer deste o formato mais popular e mais aceito, a exemplo do que acontece com o JPEG hoje.

A Google já lançou, inclusive, uma ferramenta para conversão de imagens do tipo BMP, JPEG, GIF e PNG para o novo formato. O download do seu instalador pode ser feito através do link http://bit.ly/WebPInstall. Ele funciona apenas no Linux, por enquanto.

"Além de um programa de conversão para o Windows, esperamos ter, dentro de algumas semanas, suporte nativo para WebP no Chrome", disse Richard Rabbat, Gerente de Produtos da Google.

Os dados técnicos e alguns comparativos entre os formatos pode ser encontrados no site onde o estudo feito pela Google foi publicado, disponível no Google Code.

Se você pretende investir em equipamentos para lidar com imagens fique atento a questão do WEbP pois ainda não dá para saber se esse formato criado pelo Google vai “vingar” ou não e você pode ter problemas com seu investimento se ele não for compatível com o formato.